Aluna de Letras lança livro em evento da Consciência Negra

Zainne Lima Matos é uma das 14 autoras do livro Antologia Jovem Afro, publicado pela Quilombhoje Literatura
 


No dia 17 de novembro, sexta-feira, das 14h às 16h, Zainne Lima Matos,aluna de Letras da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), lança o livro Antologia Jovem Afro, publicado pela Quilombhoje Literatura, em evento em comemoração ao dia da Consciência Negra, organizado pela Coordenadoria Especial da Promoção da Igualdade Racial de Taboão da Serra.

O convite para a aluna do 4º ano do período noturno, que assina seus textos como Zainne Lima da Silva, foi feito pela Coordenadoria Especial pelo fato da coletânea reunir textos de diversos autores abordando a temática negra e, também, pela estudante ser moradora da cidade desde que nasceu, há 22 anos.

Foto da aluna de Letras Zainne
Zainne Lima Matos é aluna do 4º ano de Letras e tem mais de 15 textos publicados

Para a composição dessa coletânea, a Quilombhoje Literatura realizou um concurso, no primeiro semestre deste ano, para selecionar textos de escritores negros de 18 a 24 anos de todo o Brasil. Ao final, foram escolhidos 14 autores dos Estados da Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro. Além de Zainne, um aluno do 4º ano do curso de História da FFLCH também participa: Igor Gomes, com o texto Dom Quixote Pixaim.

O primeiro evento de lançamento da obra foi realizado em 14 de outubro, no quilombo urbano Aparelha Luzia. Na ocasião, estiveram presentes os seis autores que são de São Paulo.

O conto de Zainne tem o título Conversando com Maria Vicêncio: carta a Conceição Evaristo e narra a conversa da sua avó materna com uma mulher que passava roupa na casa dela. Na história, elas conversam pessoalmente sobre a migração de Conceição, oriunda da cidade de Acaraci, Bahia, para São Paulo, abordando as dificuldades de viver no interior do nordeste e também na grande metrópole.

O eu lírico é uma criança que escuta a conversa das duas, que seria a própria Zainne. “Com este texto, eu quis mostrar como as histórias de vida de duas mulheres negras podem ser parecidas, mesmo elas sendo de regiões diferentes do Brasil”, destaca a autora.

Palestra 

O evento do dia 17 não será a primeira participação pública de Zainne na cidade onde mora. Em 19 de agosto, ela foi convidada para fazer uma palestra durante a comemoração de 25 anos da Escola Municipal de Educação Infantil Dona Benta, na qual estudou até os 6 anos.

Uma das professoras da escola a convidou após assistir uma palestra dela no Centro de Culturas Negras, representando o Núcleo de Consciência Negra da USP.

Ela foi a única ex-aluna da escola convidada. Sua história serviu de exemplo por Zainne ter estudado em escola pública em Taboão da Serra até o segundo ano do Ensino Médio – somente no terceiro ano ela estudou em escola particular com bolsa – fortalecendo assim a autoestima dos alunos.

Projete Nascente

Outro texto escrito por Zainne com uma protagonista negra teve destaque este ano: A história de Maya. A crônica foi inscrita na categoria Texto na 25ª edição do Programa Nascente, organizado pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP.

O Nascente é destinado a fomentar a arte entre alunos de graduação e pós-graduação da universidade, auxiliando na difusão da produção artística dos estudantes. Nesse concurso, Zainne foi finalista e recebeu a menção honrosa.

A história de Maya foi escrita em homenagem à escritora norte-americana Maya Angelou, após Zainne assistir ao documentário Maya Angelou, e ainda Resisto, no canal Netflix.

A crônica relata um estupro infantil sofrido por uma menina negra da periferia. A proposta é falar da recorrência com que as meninas negras sofrem diferentes formas de violência sexual e simbólica na infância, seja no Brasil ou em outros territórios africanos e afro-diaspóricos, que perpetuam estereótipos de sexualidade e violências propostos por contextos de colonização e/ou escravidão.


Clique aqui para ler A história de Maya.

Evento de lançamento em 14 de outubro
O primeiro evento de lançamento da obra foi realizado em 14 de outubro, no quilombo urbano Aparelha Luzia 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

USP Mulheres  

Além de escrever, a aluna – que pretende seguir carreira acadêmica na área de Estudos Comparados de Literatura de Língua Portuguesa  – foi estagiária do Escritório USP Mulheres, que tem coordenação da professora sênior do Departamento de Sociologia, Eva Blay, de abril de 2016 até outubro de 2017.
 

No estágio ela era responsável pelas mídias sociais, pesquisas de opinião,  organização dos dados das Comissões de Direitos Humanos das Unidades da USP e na elaboração de material informativo.

Fora da USP, ela atua como voluntária em um projeto de alfabetização na cidade de Taboão da Serra, Renascer em Cristo, e também de contação de histórias.

Serviço 

O lançamento do livro Antologia Jovem Afro, da Quilombhoje Literatura, será realizado no dia 17 de novembro, das 14h às 16h, no auditório da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia de Taboão da Serra, aberto ao público em geral.
Na Rua Elizabeta Lips, 166 - Jd. Bom Tempo, próxima ao Cemur, Taboão da Serra.

Fonte: FFLCH